Religiões e Representação Política

Por: Francimar Barboza



Atualmente, um assunto que tem estado presente nas diversas pautas de discussão é a presença de religiosos, sobretudo evangélicos, na vida política nacional.

Longe de considerar que a presença de religiosos na política seja uma postura de intromissão da religião na política, prefiro ver essa presença e atuação de religiosos (padres, pastores e outras lideranças religiosas) como um direito de representatividade que o segmento religioso, a exemplo de outros segmentos representativos e organizados da Sociedade, pode fruir visando ao progresso e melhoria das condições de vida da população brasileira, em um sentido amplo e coletivo, saindo do particular para o geral.

Não é demais advertir que o ingresso de religiosos na política não deve estar necessariamente atrelado a uma perspectiva corporativista e particular de defesa e expansão da sua instituição de fé, objetivando a consecução de um projeto de poder e de infiltração dos interesses de instituições religiosas nos meandros da estrutura do Estado e transformar este último em apêndice da religião, o que pode, inclusive, conduzir a esfera estatal à perigosa condição de instância de imposição de uma concepção fundamentalista religiosa em detrimento da personalidade laica conveniente a um Estado Democrático.

A Europa vivenciou e assistiu, na Idade Média, ao tenebroso cenário opressor em que a autoridade estatal e a autoridade religiosa compartilhavam um projeto teocêntrico de poder, personalizado nas figuras do Rei e do Papa, e que todos conhecemos as funestas consequências do legado de crimes e opressão patrocinados pelo jugo absolutista (do Estado Monárquico) e inquisitorial (da Igreja) e ainda assistimos, hoje, às degradações morais e humanas nas nações que vivem sob a tirania do fundamentalismo islâmico.

O religioso deve participar da política assumindo postura e conduta com feição nitidamente reivindicatória por justiça social, direitos humanos, por democracia, por respeito à diversidade, defesa do meio ambiente. A tarefa do cristão no Brasil não é tornar o Brasil cristão, mas tornar o Brasil um país mais justo.

Tem se consolidado nas últimas décadas, no Brasil, a cultura da banalização da vida: mata-se travestis e transsexuais, executa-se jovens negros, estupra-se e comete-se feminicídeo como se fossem atos naturais da vida cotidiana. Cabe ao político cristão combater essa abominável escalada da violência civil. Há outras razões também relevantes para que o religioso que ingressa na vida política possa pautar suas reivindicações: o Brasil é o país do latifúndio e da desigualdade social, da vigorosa concentração de renda, do desmatamento. Motivações não faltam para atuação em frentes de combate à segregação e à injustiça social.

Por conseguinte, a espiritualidade do indivíduo e dos grupamentos coletivos religiosos não deve estar relacionada à expansão da crença que professa, mas sim em vencer a desigualdade e a opressão para que as pessoas sejam verdadeiramente felizes, que propugne a Religião que funcione como instância inspiradora do indivíduo a adotar um comportamento ético que vise o bem comum. Qualquer iniciativa fora desses propósitos deve ser considerada oportunismo político, quando parte do indivíduo, ou interesse de apropriação do Estado, quando parte de um segmento religioso específico.

38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo